Militares, juízes, greves e arejamento de espadas


Há direitos que não discuto, como a legitimidade da greve ou o direito de manifestação. São conquistas do 25 de Abril, direitos que devemos aos militares que patrioticamente puseram fim à mais longa ditadura europeia e à injusta e inútil guerra colonial.

A democracia, talvez pela dívida que contraiu, tratou mal os militares, e demasiado bem os juízes cujo direito à greve, como membros de um órgão se soberania, lhes devia estar vedado e, em alternativa, sujeitá-los à requisição civil, uma humilhação de que eu seria o primeiro a discordar, mas que a linguagem da presidente da ASJ justificava.

Os juízes viram legitimamente reforçadas a sua independência e, discutivelmente, a sua remuneração para níveis que permitem a qualquer juiz, com mais de 18 anos de serviço, ter um ordenado bruto nominal superior ao de um ministro, e a simples juízes de círculo uma remuneração maior do que a do presidente da AR e do Primeiro-ministro.

Discordo da ameaça, da linguagem e dos argumentos da presidente da ASJ, ao nível dos sindicatos dos estivadores ou dos metalúrgicos, onde, independentemente da sua justiça, a greve é legítima.

Quanto às Forças Armadas, com razões de queixa, preteridas pela GNR e transformadas igualmente em forças profissionais que não temos recursos para manter, com a abolição do SMO a cujo fim, pressionados pelas juventudes partidárias, só os deputados do PCP ousaram opor-se, é risível contestarem a forma como uma grave investigação em curso é conduzida.

A entrega das espadas na presidência da República é um gesto gratuito aumentado pelo ridículo. A gravidade do roubo de tal quantidade de material de guerra sensível, exige a suspensão dos comandantes das unidades sob averiguação, para que não perturbem uma investigação, à semelhança do que se quis fazer na morte dos militares dos Comandos onde a insensibilidade ou sadismo se sobrepuseram às necessidades da formação dos recrutas.

Parece que à última hora, envergonhados, os oficiais embainharam as espadas.

Ponte Europa / Sorumbático

Comentários

Mensagens populares deste blogue

A ânsia do poder e o oportunismo mórbido

Nigéria – O Islão é pacífico…

A desmemória e a dissimulação