Momento de poesia




Tanto tempo para chegar ao fim do tempo!...

Tantas sementes lançadas ao vento
nesse mundo novo que se fez Império!...
Tanto mar salgado, rasgado e navegado
e tanta terra gentia descoberta!...
Tanto ferro para tanta cruz,
tantos braços para todas as alfaias e espadas!...
Tanta pedra para os padrões,
erguidos em recônditas praias!...
Tantas igrejas e fortalezas
tantas opulentas grandezas
tantas alegrias coloridas a entronizarem o Destino
 e tantas tristezas cinzentas a golpearem o tempo!...
Tanto tempo para ver a árvore nascer
para depois, sem lucro, sem glória e sem poder,
a ver morrer!...
Tanto tempo para as joias e os dedos perder!...
Tanto tempo!...
Tanto tempo para chegar ao fim do tempo!...

Alexandre de Castro
Lisboa, Dezembro de 2012 


Nota do autor: À primeira vista, este poema poderá vir a correr o perigo de ser interpretado como uma narrativa saudosista de pendor colonialista, que exprimisse a nostalgia do império. Não! Não é!
No passado, fui um militante anticolonialista, que enfrentou riscos, e hoje sou um militante que assume uma frontal oposição contra um colonialismo de novo tipo, que não necessita de assegurar militar e administrativamente a ocupação territorial dos países, sobre os quais um novo tipo de fascismo - o fascismo financeiro internacional – está a querer exercer o seu domínio, de forma cruel e humilhante. Portugal é um desses países que está a ser vítima da nova barbárie, a dos grandes agiotas - os internacionais e os indígenas - e a dos seus serventuários políticos, que agem sob as suas ordens.
Este poema (pobre na métrica e falido na estrutura e no tema) pretende apenas colocar uma questão de primordial importância, através de uma pergunta muito incómoda: Teria valido a pena construir este país com oito séculos de História, com todas as suas grandezas e todas as suas misérias, e que, agora, está à beira de um descomunal abismo, onde irá suicidáriamente precipitar-se, por culpa da incúria, da incompetência, do nepotismo, da criminosa conivência com interesses contrários ao bem público das elites políticas, económicas, financeiras e culturais? Deixo a pergunta e o poema à reflexão dos leitores.
AC

Comentários

O poema, além da sua qualidade literária, é oportuno. Neste tempo em que países de agiotas se permitem desprezar-nos e julgam poder dar-nos lições, e somos governados por um bando de vende-pátrias, temos de "puxar pelos galões" e mostrar quem somos. Temos de recuperar o orgulho de ser portugueses, como os republicanos fizeram a seguir ao "ultimato" inglês.

Mensagens populares deste blogue

Os incêndios e a chantagem ao Governo

O último pio das aves que já não levantam voo

Cavaco Silva, paladino da liberdade