As religiões, o maniqueísmo e os partidos políticos


A origem persa do maniqueísmo e a sua teorização em aramaico pelo próprio Maniqueu acabou por ser inerente aos três monoteísmos, para quem um defeito nunca vem só. Foi seu admirador Agostinho de Hipona, conhecido pelo epíteto de Santo Agostinho, que o difundiu vigorosamente, embora, mais tarde, tenha vindo a combatê-lo.

Para cada religião só há um deus verdadeiro – o seu –, sendo falsos todos os outros. Por isso, em boa verdade, todos somos ateus, limitando-se, quem se reivindica ateu, a negar apenas mais um e a considerar falsa uma religião mais do que o mais inexorável beato.

As religiões monoteístas têm ainda uma outra tara – o proselitismo –, exceto o judaísmo que, sendo isenta dessa, guardou para si outra: considera-se a detentora de um registo da Conservatória do Registo Predial Celeste (CRPC), que lhe garante a posse da Palestina com a assinatura do conservador Jeová sob o selo branco da estrela de David.

O judaísmo, o cristianismo e o islamismo, este numa fase de exacerbamento fascista, à medida que o falhanço da civilização árabe se agrava, influenciam largamente a política global e transmitem aos partidos políticos o carácter maniqueísta que divide e subverte objetivos que deviam ser comuns.

Na religião, o dissidente é herege e na política é um traidor. Um convertido é venerado numa e noutra e, na religião, facilmente se torna santo. Hereges, renegados e traidores são os que pagavam com a vida a obstinação de serem livres-pensadores. O iluminismo e a Revolução Francesa vieram abalar os alicerces do dualismo maniqueísta e, por isso, devemos-lhes mais do que a todas as religiões juntas. Vale mais uma página de Voltaire do que todo o Pentateuco.

O pluralismo, a rotatividade política e o direito de nos arrependermos do voto errado, e de o corrigirmos pacificamente, são conquistas recentes na história da humanidade. O direito divino era um castigo demasiado cruel para que os homens livres o aceitassem. Preferiram trocá-lo pela vontade popular expressa no sufrágio universal e secreto.

É altura de nos emanciparmos politicamente e deixar para a fé os interditos, os ódios e o proselitismo que são apanágio das religiões. A política precisa da diversidade e exige de todos um esforço para evitar que a riqueza seja apropriada por uma única classe ou por um bando que assalte o poder.

Em Portugal estamos a pagar dolorosamente uma coincidência que, não sendo um mal em si, se tornou tragédia pelos indesejáveis protagonistas – um presidente, um Governo e uma maioria, que urge remover.

Para isso não podemos ser maniqueístas. Não há verdades absolutas.

Ponte Europa / Sorumbático

Comentários

e-pá! disse…
Em Portugal, estamos a pagar, dolorosamente, as custas de um maniqueísmo neoliberal.
Assim: ou a fanáticas 'soluções' engendradas pela Troika para 'ajustar' o Pais, ou a vergonha da bancarrota, a miséria generalizada, a exclusão do concerto das nações.

Está a ser tentado 'criar' um novo deus: o invisível mas omnipresente mercado.
E, concomitantemente, uma multidão diversificada de hereges: os 'endividados', os 'perdulários', os 'irresponsáveis', os 'socialistas', os 'esquerdistas', ...
A prossecução da imposição desta inflexível visão dualista (a 'paz dos mercados' ou o 'desastre') conduzirá, fatalmente, a um trágico resultado: à destruição da democracia (tal como a concebemos e conhecemos desde a Revolução Francesa).
Manel disse…
Concordo em pleno com e-pá.
Vivemos um catolicismo financeiro
Manel disse…
http://blog-do-manel.blogspot.pt/2010/03/desenho-de-autor-meu-conhecido-que-nao.html

Mensagens populares deste blogue

Os incêndios e a chantagem ao Governo

O último pio das aves que já não levantam voo

Cavaco Silva, paladino da liberdade