Portugal “está a perder a fé”

Portugal “está a perder a fé”!
- anuncia o Presidente da Associação Ateísta Portuguesa no Diário "As Beiras".

Uma simpática reportagem de um jornal da nossa terra ao nosso estimado Carlos Esperança, que coloca em evidência - entre outros aspectos - a falta de condições para prestar serviços fúnebres aos ateus e aos agnósticos, em Coimbra.

Comentários

Julio Carrancho disse…
“Portugal está a perder a fé” é uma boa notícia! Contudo, sugeria uma melhor colocação: “Portugal TEM QUE PERDER A FÉ absurda que tem em um sistema religioso de ignomínias criminosas do passado e do presente! Não é promover as liberdades humanas ensinar IDOLATRIA às crianças logo a começar pelo batismo!
Mano 69 disse…
O baptismo é tramado, transforma homens anteriormente cordatos em verdadeiras feras ateias.
Mano 69:

O baptismo é um placebo mas, em alguns, cria-lhes um azedume para o resto da vida. Como se vê.
Mano 69 disse…
Um azedume que durou 35 anos e que pelos vistos ainda não acabou. Vai dar-lhe matéria de estudo (leia-se livros) até ao final da vida.
Mano 69:

No meu caso não há azedume mas já lá vão 54 anos.

Espero que nos confesse que, no seu caso, acredita que D. Nuno curou o olho esquerdo da D. Guilhermina.

Foi o Papa que disse e ele não devia mentir.
Julio Carrancho disse…
O papa é o maior aldrabão que existe quando levantando a Hóstia afirma em Latim Velho que aquilo é o corpo físico de um dito Jesus que ele quer impingir aos convertidos [pelo batismo por aspersão ou esborrifo]!
Mano 69 disse…
Caro Carlos Esperança

As confissões são feitas a quem de direito. Você, apesar do seu ar venerando de pastor de almas ateias ainda não reúne os requisitos para me ouvir em confissão.

Por mim cada um acredita no quer e pode é uma das regras da democracia.
Mano 69 disse…
CE

Já reparou que o senhor que sofreu durante 35 anos não se consegue libertar do efeito placebo?
Ele há cruzes que se carregam durante toda a vida terrena.

Mensagens populares deste blogue

O último pio das aves que já não levantam voo

Cavaco Silva, paladino da liberdade

A ânsia do poder e o oportunismo mórbido